Na última sexta-feira (07), o Sindicato da Indústria Florestal de Curitibanos (SIFC) através do presidente, Luiz Fernando Brocardo, esteve reunido com o Deputado Nilso Berlanda. O encontro teve como foco principal a solicitação para a intervenção junto ao Governo Federal para construir uma barreira na exportação de tora (in natura) e principalmente para a criação de linhas de fomento ao incentivo florestal. 

A pauta tem sido bastante comentada no meio florestal devido a alta exportação de madeira in natura para a China. Fato que tem causado uma certa preocupação ao setor uma vez que o crescimento exponencial apresentado nos últimos doze meses na exportação da matéria prima, coloca a indústria nacional em risco de descompasso, pois ameaça não só o crescimento sustentável das indústrias, mas a manutenção do patamar atual de emprego, renda, geração de impostos e movimentação de uma cadeia produtiva muito grande que é o setor florestal. 

- É importante frisar que somos a favor do comércio livre e que não há problema com a exportação de madeira em tora, afinal, todo investidor ou produtor rural sempre buscará uma melhor remuneração. Porém, nossa reivindicação vem alertar as autoridades da forma desordenada que vem acontecendo – Explica o presidente do SIFC, Luíz Fernando Brocardo.

O Deputado Nilso Berlanda, prontamente colocou-se à disposição do SIFC e destacou a importância do setor, ao mesmo tempo que, ouvindo as reivindicações, se colocou a favor da classe e a lutar para que a economia do mercado do setor de base florestal não seja afetada.

O SIFC é uma instituição que sempre está à frente, vindo proporcionar o melhor para seu associado e buscando soluções de desenvolvimento para o setor. 

 

Setor Florestal em dados

A base florestal movimenta cerca de 50% da economia local e em Santa Catarina gera mais de 65 mil postos de empregos diretos, sendo 4º setor que mais emprega no estado. O setor ainda possui mais de 5.300 estabelecimentos abertos, sendo o 3º com maior número, e o setor madeireiro também contribui com o setor rural uma vez que mantém o trabalhador no campo para a manutenção das florestas plantadas.