Um dos principais setores que mantém a economia de Santa Catarina, ficou ameaçado com as portarias 10/2020 e 16/2020 publicadas pelo Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA).

As medidas impõem restrição no cultivo de pinus e eucalyptos, classificando as espécies como “exóticas invasoras”. Em Curitibanos o Sindicato da Indústria Florestal da Região de Curitibanos (Sifc), já manifestou posição contrária ao instituto e através de ofício, solicitou ao deputado Nilso Berlanda (PL), revisão e revogação destas Portarias. Outra portaria foi publicada 96/2020 e suspendeu os efeitos da portaria 16/2020.

Somente na região de Curitibanos, a indústria da madeira é responsável por cerca de 50% da economia, mantendo o emprego e a renda. As madeiras de reflorestamento apontadas na portaria como “exóticas invasoras”, são justamente as utilizadas pelas indústrias para a produção de diversos produtos.

As portarias geraram uma reação negativa em todo o setor, a Associação Catarinense das Empresas Florestais (ACR) emitiu nota repudiando e contestando as medidas. O Sindicato também emitiu uma nota apoiando a manifestação da ACR e também encaminhou um ofício ao deputado Nilso Berlanda, solicitando a revogação das portarias. No documento, o sindicato aponta que “as medidas foram tomadas sem qualquer explicação cientifica que as instrua, tentam apenas eliminar a cultura florestal no estado”.

Diante da repercussão negativa das entidades que representam o setor, o Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina, publicou uma nova portaria que suspende os efeitos da Portaria Nº 16/2020 de 16/01/2020 até que seja publicada a Instrução Normativa Nº 72 que definirá o Cadastro de Plantios de Espécies Exóticas e que este Cadastro esteja devidamente implantado.

 

Foto Divulgação.

Nesta segunda-feira (25), o Sindicato da Indústria Florestal de Curitibanos (Sifc) e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e Mobiliário de Curitibanos estiveram em conferência para debater os novos pisos e reajuste salarial da negociação da Convenção Coletiva 2020/2021.

Na tarde desta segunda-feira (12), o Sindicato da Indústria Florestal da Região de Curitibanos (Sifc), esteve realizando a entrega das Máscaras Face Shield ao setor da saúde do município.

- Nós do Sifc ficamos gratos de poder contribuir com a área da Saúde num momento tão difícil para todo mundo. Essa doação é uma contribuição que o Sifc dedica a esses profissionais que estão na linha de frente nessa batalha contra o Covid-19 e que prestam um serviço grandioso ao nosso município – Declarou o presidente do Sifc, Luiz Fernando Brocardo.

A Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), doou 100 máscaras para Curitibanos, sendo 50 ao Hospital Regional Hélio Anjos Ortiz e 50 ao Sifc.

As máscaras recebidas pela Fiesc, o Sifc doou para a Secretaria de Saúde, Corpo de Bombeiros e Samu do município.

Nesta quarta-feira (13), o Sindicato da Indústria Florestal de Curitibanos (SIFC) recebeu da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC)50 máscaras de dupla proteção (face shields) para doação. Na mesma oportunidade a Federação também realizou a entrega da mesma quantidade ao Hospital Hélio Anjos Ortiz.

Com o decreto do Governo de Santa Catarina e também da prefeitura de Curitibanos que determina o uso obrigatório de máscara para toda a população, como forma de prevenção contra a Covid-19, na tarde desta segunda-feira (11), o Sindicato da Indústria Florestal de Curitibanos (SIFC), fez a entrega de 500 máscaras que serão distribuídas para a população carente do município.

Há pouco mais de um mês o setor foi obrigado, via decreto do Governo do Estado, a reduzir em 50% o número de funcionários trabalhando devido a pandemia do Covid-19. Mas, nesta segunda-feira (27) em novo decreto já publicado no Diário Oficial do Estado, todas as indústrias foram liberadas para voltarem a operar com 100% de seus funcionários.

 

Com a pandemia causada pelo novo coronavírus, a indústria foi obrigada a reduzir sua produção como medida de segurança e muitas informações desencontradas acabaram deixando o setor vulnerável. Nesse período, o Sindicato da Indústria Florestal de Curitibanos (SIFC), não parou suas atividades e intensificou seu cronograma de reuniões com a FIESC que foram realizadas online, buscando orientar seus associados.

Análise realizada pelo Observatório da entidade revela que houve ainda retração de R$ 3,4 bilhões na produção industrial, diminuição de R$ 3,1 bilhões nas vendas no mercado interno e redução de R$ 327 milhões nas exportações industriais do estado. O levantamento mede os impactos após o início do período de isolamento.